26 de abril de 2015

Como instalar facilmente o driver nVidia no Debian 8 "Jessie"

4 comentários
Instalar o driver para placas gráficas da Nvidia no Debian é tarefa simples. Baixar o driver e instalar manualmente trás um contra-tempo: reinstalar o mesmo sempre que acontecer atualização no Kernel. Para aqueles que estão chegando... existe um método mais prático que faz a atualização  sozinho sempre que houver mudanças no Kernel.O driver está disponível nos repositórios non-free.

Vale lembrar que estão disponíveis dois drivers para esta versão:
Versão 340.65 - com suporte para GeForce série 8xxx ou superior;
Versão 304.125 (legacy GPUs) - com suporte para GeForce das séries 6xxx e 7xxx.

Se você tiver dúvidas de como habilitá-los, visite os links abaixo:
Repositórios para Debian 8 Jessie
Repositórios Debian - tipos e configuração completa

Com os repositórios non-free habilitados, para instalar o driver para placas gráficas Nvidia, basta:
su -  ENTER 
apt-get install nvidia-driver  ENTER 
apt-get install nvidia-glx nvidia-settings nvidia-xconfig nvidia-kernel-common  ENTER 

Reinicie o sistema:
reboot  ENTER 

Se tudo ocorreu bem você verá o logo da Nvidia na inicialização. Comigo tudo funcionando corretamente:

Espero ter ajudado.
Continua »

Repositórios para Debian 8 Jessie

0 comentários
Um dos procedimentos fundamentais após instalar sua distribuição predileta é configurar os repositórios que se julga necessário para ter todos os programas, plugins e codecs desejados. No Debian não é diferente. Você acabou de instalar a nova versão "Jessie" e deseja ter um sources.list completo para instalacão de codecs, plugins e ter acesso a softwares das mais diversas categorias. Nesta postagem você confere um sources.list completo para a nova versão do Debian.

Antes de seguir, aconselharia você a ler o seguinte post:
Repositórios Debian - tipos e configuração completa

Pondo a Mão na MassaAbra um terminal e corra os seguintes comandos:
su -  ENTER 
gedit /etc/apt/sources.list  ENTER 

Meu sources.list. Adicione ao seu as linhas que desejar:
deb http://http.debian.net/debian jessie main contrib non-free
deb-src http://http.debian.net/debian jessie main contrib non-free

deb http://security.debian.org/ jessie/updates main contrib non-free
deb-src http://security.debian.org/ jessie/updates main contrib non-free

deb http://http.debian.net/debian jessie-updates main contrib non-free
deb-src http://http.debian.net/debian jessie-updates main contrib non-free

#Multimedia
#executar: apt-get update && apt-get install deb-multimedia-keyring && apt-get update:
deb http://www.deb-multimedia.org jessie main non-free
deb-src http://www.deb-multimedia.org jessie main non-free

#BackPorts
deb http://http.debian.net/debian/ jessie-backports main contrib non-free

Salve e feche o arquivo. De volta à janela do terminal corra os seguintes comandos. Durante o processo será perguntado se deseja instalar o pacote "deb-multimedia-keyring", digite "s" (minúsculo e sem aspas) e tecle [ENTER] para prosseguir:
apt-get update && apt-get install deb-multimedia-keyring && apt-get update  ENTER 

Para atualizar sua distro, faca:
apt-get dist-upgrade  ENTER 

Boa sorte!

referência: wiki.debian.org/SourcesList
Continua »

Lançado Debian 8 "Jessie"

0 comentários
Após quase 24 meses de constante desenvolvimento, o projeto Debian tem o orgulho de apresentar a sua nova versão estável 8 (codinome "Jessie") que será suportada durante os próximos 5 anos, graças ao trabalho combinado da equipe de Segurança do Debian e da equipe de Suporte de Longo Prazo do Debian.

A "Jessie" vem com um novo sistema init padrão, o systemd. A suíte systemd fornece muitos recursos interessantes, tais como inicialização mais rápida, cgroups para serviços, a possibilidade de isolar parte dos serviços. O sistema init sysvinit já existente ainda está disponível na "Jessie".

O suporte à UEFI ("Unified Extensible Firmware Interface") introduzido na "Wheezy também foi bastante melhorado na Jessie. Isso inclui soluções alternativas para vários bugs conhecidos de firmware, suporte à UEFI em sistemas de 32 bits e suporte a kernels de 64 bits com firmware UEFI de 32 bits (com o último estando incluído apenas em nossa mídia de instalação "multi-arch" amd64/i386)".

Desde o lançamento anterior, os membros do projeto Debian também fizeram melhorias importantes em nossos serviços de apoio. Uma delas é uma visão navegável de todo o código fonte entregue no Debian, atualmente disponível em sources.debian.net. Claro, com mais de 20.000 pacotes fonte, pode ser bastante difícil de encontrar o arquivo certo. Por isso, nós também estamos muito satisfeitos em apresentar o Buscador de Código Debian, disponível em codesearch.debian.net.
Ambos os serviços são complementados por um sistema de rastreamento de pacotes completamente reescrito e mais responsivo.

Esta versão inclui vários pacotes de software atualizados, tais como:
- Apache 2.4.10
- Asterisk 11.13.1
- GIMP 2.8.14
- uma versão atualizada do ambiente de área de trabalho GNOME 3.14
- Coleção de Compiladores GNU 4.9.2
- Icedove 31.6.0 (uma versão sem marca do Mozilla Thunderbird)
- Iceweasel 31.6.0esr (uma versão sem marca do Mozilla Firefox)
- áreas de trabalho KDE Plasma e aplicativos KDE 4.11.13
- LibreOffice 4.3.3
- Linux 3.16.7-ctk9
- MariaDB 10.0.16 e MySQL 5.5.42
- Nagios 3.5.1
- OpenJDK 7u75
- Perl 5.20.2
- PHP 5.6.7
- PostgreSQL 9.4.1
- Python 2.7.9 e 3.4.2
- Samba 4.1.17
- Tomcat 7.0.56 e 8.0.14
- Xen Hypervisor 4.4.1
- o ambiente de área de trabalho Xfce 4.10
- mais de 43.000 outros pacotes de software prontos para uso, construídos a partir de cerca de 20.100 pacotes fonte.

Com esta ampla seleção de pacotes e seu tradicional amplo suporte de arquiteturas, o Debian mais uma vez se mantém fiel ao seu objetivo de ser o sistema operacional universal. Ele é apropriado para muitos casos diferentes de uso: de sistemas desktop a netbooks; de servidores de desenvolvimento a sistemas de cluster; e para servidores de bancos de dados, web ou armazenamento. Ao mesmo tempo, esforços adicionais para garantia de qualidade, como instalação automática e testes de atualização para todos os pacotes do repositório do Debian asseguram que a "Jessie" satisfaz as altas expectativas que os usuários têm de uma versão estável do Debian.

Um total de dez arquiteturas é suportado: PC 32 bits / Intel IA-32 (i386), PC 64 bits / Intel EM64T / x86-64 (amd64 ), Motorola/IBM PowerPC (powerpc para hardware mais antigo e ppc64el para o novo de 64 bits (little-endian)), MIPS (mips (big-endian) e mipsel (little-endian)), IBM S/390 (s390x 64 bits) e para ARM, armel e armhf para hardware antigo e novo de 32 bits, além do arm64 para a nova arquitetura "AArch64" de 64 bits.


via debian.org/News
Continua »

25 de abril de 2015

Como instalar o Ubuntu 15.04 Vivid Vervet em dual boot com MS Windows (passo-a-passo)

0 comentários
Você tem MS Windows instalado no seu computador mas gostaria de experimentar o Ubuntu GNU/Linux instalado diretamente no seu HD ao lado do XP/Seven/8? Neste post mostraremos como realizar este procedimento, do particionamento à instalação. Este tipo de instalação tira um maior proveito dos recursos reais de um sistema GNU/Linux do que tê-lo emulado em uma máquina virtual.

pondo a mão na massa
Se você seguir a sequência deste passos-a-passo, as chances de algo sair errado é de 0,01 %.
0 - antes de tudo:
a) Se a sua máquina tem o recurso do boot seguro, acesse a BIOS da máquina e desabilite-o:
Em alguns modelos de BIOS você terá algo semelhante a imagem acima
Em outros modelos, basta selecionar a opção "Legacy"
b) faça a desfragmentação das partições. Inclusive da D, caso ela exista; 
c) faça uma cópia de segurança dos seus arquivos. Considere a possibilidade, mesmo que mínima, das coisas saírem erradas;

1 - se ainda não tiver feito, configure seu PC para dar BOOT pelo CD/DVD;
2 - ligue seu computador e insira o DVD do Ubuntu GNU/Linux 15.04 Vivid Vervet  no drive. Aguarde...;
3 - no início do carregamento do CD/DVD aparecerá uma tela de fundo roxo com o ícone de acessibilidade, tecle F2 para abrir as opções de idioma. Utilizando as setas direcionais escolha o seu. Tecle ENTER para prosseguir:
4 - na tela seguinte escolha "Experimentar o Ubuntu sem instalar", assim você pode testar/verificar como se comportaram as placas de som/vídeo e a conexão com a internet:
Aguarde o carregamento do sistema:
5 - Para verificar as opções desejadas, como a internet, basta clicar no ícone do Firefox ou de qualquer outro aplicativo para web. Verifique se o som está funcionando. Tudo testado, clique sobre o atalho "Instalar o Ubuntu 15.04" para iniciar o assistente de instalação:
6 - No primeiro item do assistente, deixe marcado o idioma que escolhemos na inicialização (português do Brasil). Clique no botão "Continuar":
7 - Na tela seguinte, caso tenha uma conexão com a internet disponível, marque as opções "Baixar atualizações enquanto instala" e "Instalar esse programa de terceiros". Clique em "Continuar":
8 - Muita atenção nesta etapa da instalação!
Escolha a Opção Avançada, ou seja, particionamento personalizado. Clique em Continuar:
9 - A tela seguinte mostrará os discos e partições existentes. Iremos redimensionar a partição que está o MS Windows. Você pode também utilizar uma segunda partição, como a D:\, caso ela exista no seu HD. Neste nosso exemplo estamos considerando que você tem uma única partição. Clique sobre a partição ntfs. Em seguida clique no botão "Alterar":
10 - Você verá o diálogo "Editar partição". O campo "Tamanho" é mostrado em MB. Redimensione a partição. Neste exemplo usarei uma partição de aproximadamente 40 GB, reduzirei para metade (no meu exemplo: + ou - 20 GB). Use valores de acordo com a capacidade do seu HD. Em "Usar como" deixe "não usar a partição":
11 - Você receberá um aviso sobre mudanças. Clique no botão "Continuar":
12 - De volta ao diálogo de particionamento você verá a sua partição NTFS e agora o espaço livre:
Clique sobre "espaço livre" e em seguida clique no botão adicionar (+):
13 - Para instalar o sistema GNU/Linux você precisa criar uma partição EXT4 (ou EXT3). Não utilize o espaço total, deixe 2 ou 4 GB livres:
Tamanho - defina o tamanho da nova partição;
Tipo para a nova partição - primária;
Localização: Início deste espaço;
Usar como - "journaling" ext4;
Ponto de Montagem: /

Clique em "OK".

Agora você tem uma partição NTFS (com seu Windows), uma partição EXT4 (para o Ubuntu 15.04) e o espaço livre:
14 - Selecione o "espaço livre" (dê um clique-simples sobre ele) e em seguida clique no botão adicionar (+):
Criaremos a partição de troca (SWAP). No diálogo que aparece, configure da seguinte forma:
Tamanho - utilize o tamanho total do espaço livre;
Tipo para a nova partição - lógica;
Usar como - Área de troca (swap).

Clique no botão "OK" para finalizar a edição da nova partição.

Você deve ter algo semelhante à imagem abaixo. Três partições: NTFS, EXT4 e SWAP:
Certifique-se que SOMENTE a EXT4 está marcada para a formatação. Clique no botão "Instalar agora" para iniciar a instalação do Ubuntu 15.04.

Um diálogo surgirá solicitando a confirmação nas mudanças no disco. Clique no botão "Continuar" para prosseguir:
15 - Você deverá ver o mapa mundi. Escolha seu fuso horário. Para escolher um fuso diferente basta clicar sobre o ponto referente no mapa ou digite o nome da cidade. Se o que está sendo apresentado estiver correto basta clicar em "Continuar" para prosseguir:
16 - Escolha o layout do seu teclado ou clique no botão "Detectar layout do teclado" para que o assistente tente detectar automaticamente (o método não tem garantia de 100% de sucesso):
17 - Na tela seguinte digite seus dados pessoais:
Seu nome - nome/palavra que aparecerá na barra. É o nome do usuário que pode ter letras maiúsculas e minúsculas;
Nome do seu computador - digite um nome para sua máquina;
Escolha um nome para o usuário - nome que o sistema identificará você (sem espaços, com letras minúsculas, de preferência);
Escolha uma senha - escolha uma senha forte que contenha letras maiúsculas e minúsculas com números e símbolos, mas que seja fácil de memorizar;
Confirme a senha - redigite a senha escolhida;

Não é aconselhável marcar a opção "Iniciar sessão automaticamente".

NÃO TRAGA maus hábitos para o MUNDO GNU/LINUX!

Deixe marcado a opção "Solicitar minha senha para entrar".
Se achar necessário, por uma questão de segurança, marque a opção "Criptografar minha pasta pessoal";

Clique no botão "Continuar":
18 - Os arquivos do sistema serão copiados e pacotes serão baixados. É só aguardar. O tempo de conclusão dependerá do poder de processamento do seu PC e da sua banda larga:
19 - Quando a instalação terminar você verá o diálogo "Instalação concluída". Clique em "Reiniciar agora":
iniciando o novo sistema
No desligamento você é solicitado(a) a retirar a mídia de CD/DVD do drive, faça isso e tecle "ENTER". Aguarde o sistema reiniciar.

Agora sempre que você ligar sua máquina verá o menu abaixo. Esta é a tela do GRUB (programa que identifica os sistemas operacionais instalados no seu HD). Para iniciar o Ubuntu é só esperar alguns segundos ou teclar ENTER:
Caso queira usar seu MS Windows use as teclas direcionais e desça até à linha do Windows e tecle ENTER.

Clique no campo da senha, digita-a e teclar ENTER par acessar seu novo sistema:
Você verá o Ambiente do usuário:
Caso queira um artigo mais completo que cobre inclusive o redimensionamento das partições pelo Windows e sobre o UEFI (boot seguro), leia o artigo idealizado pelo Thomas, um dos muitos amigos samurais que fiz na época de  Nihon:

(76 páginas | PDF | 46,2 MB | Link direto)

Como instalar o Ubuntu 15.04 Vivid Vervet (passo-a-passo).pdf

É isso.
Continua »

24 de abril de 2015

Ubuntu / Kubuntu / Xubuntu / Lubuntu 15.04 Vivid Vervet versão final disponível para download

8 comentários
A Canonical anunciou o lançamento do Ubuntu 15.04. A nova versão, que terá suporte por nove meses, traz o LibreOffice 4.4, kernel do Linux 3.19 e Systemd que substituiu Upstart como padrão e gerente de serviços em todas as versões do Ubuntu, exceto Touch. Além do Ubuntu, que é o foco principal da empresa Africana, foi liberado também outros sabores do Ubuntu como: Kubuntu (Ubuntu com KDE), Xubuntu (Ubuntu com XFCE), Lubuntu (Ubuntu com LXDE), Ubuntu MATE, Ubuntu Kylin e Ubuntu Gnome.

Download Ubuntu Vivid Vervet 15.04

Ubuntu - todos os downloads

Download Kubuntu 15.04


Kubuntu - Todos os downloads

Download Xubuntu 15.04


Xubuntu - todos os downloads

Download Lubuntu 15.04


Lubuntu - todos os downloads

Download Ubuntu Studio 15.04
Ubuntu Studio é uma versão especial do Ubuntu com kernel de baixa latência, ideal para quem trabalha com edição/criação de som:


Ubuntu Studio - todos os downloads

Download de outras variantes
Outros sabores:
Ubuntu MATE 15.04
Ubuntu Gnome 15.04

É isso.

fonte: distrowatch.com
Continua »

23 de abril de 2015

Terminal do Linux – primeiros passos

4 comentários
Shell (ou “terminal”, “prompt de comando”) é o interpretador de comandos do sistema GNU/Linux, ou seja, é ele quem traduz uma ordem enviada pelo usuário via teclado ao Kernel. Através do shell podemos controlar, atualizar e modificar partes essenciais do sistema. A utilização do terminal pode parecer primitiva, mas pode ser muito mais produtiva na maioria dos casos. Este artigo é destinado a usuários iniciantes, falando do básico sobre o terminal.

O terminal Linux
Existem vários emuladores de terminal, logo a aparência poderá mudar ligeiramente dependendo de qual se está utilizando, mas a base não muda. Usaremos neste exemplo o terminal do Gnome. Ao iniciar o emulador de terminal você terá algo semelhante a imagem acima.

Entendo o que temos na tela
A estrutura inicial é nomeDoUsuário@nomeDaMáquina:~$
nomeDoUsuário = nome do usuário atual;
nomeDaMáquina = nome da máquina;
~ (til) = diretório HOME do usuário;
$ (dólar/cifrão) = usuário comum, sem privilégios de administrador.

Se o último caractere do alerta é um símbolo de libra/cerquilha (“#”) em vez de um sinal de dólar (“$”), a sessão de terminal tem privilégios de superusuário (administrador do sistema). Isto quer dizer que estamos logado como usuário root ou selecionamos um emulador de terminal que fornece poderes de superusuário (poderes administrativos).

Tente digitar qualquer sequência de caracteres, por exemplo "asdfasdf":
asdfasdf  ENTER 
Ao teclar [ENTER], a saída deve ser algo semelhante a mensagem abaixo:
bash: asdf: comando não encontrado

Movimento do Cursor
Acesse o comando anterior pressionando a tecla “seta para cima”. Agora, tente as teclas de seta para a esquerda e de direita. Veja como podemos posicionar o cursor em qualquer lugar na linha de comando. Logo podemos apagar, acrescentar ou aproveitar o que foi digitado anteriormente.

Atalhos do Teclado
Não tente usar “CTRL+C” e “CTRL+V” para copiar e colar dentro de uma janela de terminal. Eles não funcionarão. Esses códigos de controle têm diferentes significados para o shell e foram atribuídos muitos anos antes no Microsoft Windows.

Os atalhos para copiar e colar dentro de uma janela de terminal são:
Copiar = SHIFT+CTRL+C;
Colar = SHIFT+CTRL+V
O atalho CTRL+C, dentro de uma janela de terminal interrompe o comando que está sendo executado, para instantaneamente o que estiver sendo trabalhado.
Comandos Básicos
Agora vamos utilizar os comandos mais básicos para uma primeira experiência com o terminal:

Data e Hora do Sistema
Exibir data e hora atual do sistema:
date  ENTER 
A saída:
Ter Abr 21 19:51:37 BRT 2015

Calendário
Mostra o calendário do mês corrente
cal  ENTER 
A saída:

Quantidade de Memória
exibe a quantidade de memória livre:
free  ENTER 
A saída:

Quem usou a Máquina
Mostra quem e quando logou na máquina:
who  ENTER 
A saída aqui:
antoine tty7 2015-04-22 17:45 (:0)
antoine pts/0 2015-04-22 19:05 (:0)

Nome do Usuário Atual
Mostra o nome do usuário atual:
whoami  ENTER 
A saída aqui:
antoine

Tempo que ficou utilizando o sistema
Mostra o tempo que o usuário está conectado:
uptime  ENTER 
A saída:
21:07:14 up 3:26, 2 users, load average: 0,75, 0,75, 0,76

Em que diretório/pasta estou?
Mostra o caminho completo do diretório/pasta atual:
pwd  ENTER 
A saída:
/home/antoine

Listando os Arquivos de um Diretório
Mostra a lista de arquivos de um diretório:
ls  ENTER 

Listando os Arquivos de um Diretório, inclusive os ocultos
Lista todos os arquivos de um diretório, inclusive os ocultos:
ls -a  ENTER 

Listando os Arquivos de um Diretório com Pausa
No caso de muitos arquivos, a lista passará tão rápido que nenhum ser humano será capaz de ler todos os itens. Para ver a lista pausadamente:
ls | more  ENTER 

Entrar em um diretório/pasta
Entrar em um diretório:
cd /usr/share/applications/  ENTER 

Para avançar 1 nível. Se você está na pasta A e precisa avançar até a pasta B:
Para avançar mais de um nível. Se você está na pasta A e precisa avançar até a pasta C:
Para Sair de um Diretório
Volta um diretório acima. Sai da pasta atual e vai para a pasta que a contém:
cd ..  ENTER 
Você está na pasta C e quer sair da pasta atual e voltar 1 nível, ou seja, voltar uma pasta acima:
Voltando Vários Diretórios de uma vez
Volta n diretórios acima. Cada dois pontos do comando volta um nível acima:
cd ../..  ENTER 
Você está na pasta C e quer voltar diretamente para pasta A:
Ir para o Diretório Raíz do Sistema
Avança/volta para o diretório raiz do sistema:
cd /  ENTER 

O histórico de comandos

Ao pressionar a tecla de seta para cima veremos que o comando anterior reaparece. Isso é chamado de histórico de comandos. A maioria das distribuições GNU/Linux lembra dos últimos 500 comandos, por padrão. Pressione a tecla seta para baixo/cima seguidas vezes e os comandos digitados anteriormente aparecem.

Ao longo do tempo de instalação este recurso poderá ser muito útil. Cada vez que a seta para cima/baixo for pressionada, você navegará no histórico de comandos digitados. Isso agiliza o processo de produção, pois bastaria teclar [ENTER] para executá-lo novamente.

Acessando o Histórico de Comandos
Para visualizar todos os comandos digitados e memorizados, faça no terminal:
history  ENTER 

Acessando o Histórico de Comandos com Pausa
Para visualizar todos os comandos digitados e memorizados com paginação:
history | more  ENTER 

Acessando o Histórico de Um Comando Específico
Para visualizar o histórico de um comando específico, por exemplo do "mv" (mover):
history | grep mv  ENTER 

Limpando o Histórico de Comandos
Para limpar o histórico de comandos:
history -c  ENTER 

clear
Limpa a tela:
clear  ENTER 

Saindo e Fechando o Terminal
Sair do terminal:
exit  ENTER 

Agora você sabe o básico do básico da utilização do shell do Linux. Sabe consultar a data e a hora do sistema, a quantidade de memória disponível e a utilizada, aprendeu a descobrir o usuário atual, sabe como descobrir o seu tempo de login. Não ficará perdido no caminho dos diretórios, pois sabe identificar em que pasta está, sabe como entrar e sair de diretórios, sabe listar arquivos (inclusive os ocultos), consultar o histórico do que foi digitado, limpar a tela para um melhor visualização e sair do terminal.

Shell do Linux - primeiros passos.pdf
Continua »

22 de abril de 2015

Como instalar SuperTuxKart 0.9 na sua distribuição GNU/Linux

0 comentários
SuperTuxKart é um jogo de corridas de kart com Tux (mascote do Linux) e amigos (mascotes de distros e softwares opensource). É um jogo de corrida com foco na diversão e facilidade de jogar. Participe de corridas com Tux e Amigos, explore várias pistas, jogue contra a máquina ou em modo de tela dividida contra seus amigos, vários modos, incluindo Time Trial, Grand Prix e modo de batalha. Foi anunciado recentemente o lançamento da versão 0.9.

INSTALAR A VERSÃO ESTÁVEL
Para instalar no Debian e distribuições derivadas basta abrir um terminal e correr o seguinte comando (digite a senha de administrador se esta for solicitada e tecle ENTER para prosseguir):
su -  ENTER 
apt-get install supertuxkart  ENTER 

INSTALAR A VERSÃO 0.8.1
Para instalar a versão 0.8.1 do game, faremos uso do repositório backports do Wheezy. Antes de tudo verifique se o repositório já está habilitado:
cat /etc/apt/sources.list | grep backports  ENTER 

Se estiver habilitado, você terá algo semelhante ao texto abaixo:
deb http://http.debian.net/debian/ wheezy-backports main contrib non-free

Caso ainda não tenha o repositório habilitado, basta abrir um terminal e correr o seguinte comando (digite a senha de administrador se esta for solicitada e tecle ENTER para prosseguir):
sudo sh -c 'echo "deb http://http.debian.net/debian/ wheezy-backports main contrib non-free" >> /etc/apt/sources.list'  ENTER 
sudo apt-get update  ENTER 

Para instalar o game basta correr o seguinte comando:
sudo apt-get -t whhezy-backports install supertuxkart  ENTER 

INSTALAr A VERSÃO 0.9
Para instalar a versão 0.9 do game, lançada hoje (22/abr/2015), faremos o download manualmente do pacote tar.xz. A descompactação/criação deste tipo de arquivo é demorada, por isso ao executar o comando, não se desespere, demora um pouco mais que o desempacotamento de outras extensões. Vale lembrar que você pode fazer todo o procedimento pelo seu navegador de arquivos, se preferir:
wget -c http://ufpr.dl.sourceforge.net/project/supertuxkart/SuperTuxKart/0.9/supertuxkart-0.9-linux.tar.xz  ENTER 
tar -Jxf supertuxkart-0.9-linux.tar.xz  ENTER 
mv supertuxkart-0.9-linux/ .supertuxkart-0.9/  ENTER 
.supertuxkart-0.9/run_game.sh  ENTER 

Ou faça o download neste link.

EXECUTANDO O PROGRAMA
Para quem optou pelas vias normais de instalação, quando o processo for concluído, pesquise por "supertuxkart". Clique no ícone correspondente para acioná-lo.

A interface do game:

É isso.
Continua »
 

Copyright © TutorFree Design by Free CSS Templates | Blogger Theme by BTDesigner | Powered by Blogger