13 de setembro de 2014

mEdit - editor de texto leve com suporte às principais linguagens de programação

0 comentários
mEdit é um editor de texto que consome aproximadamente 25 MB de RAM, sendo ideal para computadores mais modestos que precisam economizar recursos. O programa oferece suporte paras as principais linguagens de programação e alguns plugins e um diálogo de preferências para personalizar o aplicativo. mEdit está disponível nos repositórios oficiais das principais distribuições GNU/Linux.

INSTALANDO O PROGRAMA
Instalação Modo Gráfico
O programa está nos repositórios das principais distribuições GNU/Linux, portanto para instalar o programa, no Ubuntu, por exemplo, faça:
1 - Abra a Central de Programas do Ubuntu ();
2 - Na Central de Programas, no campo de pesquisa () pesquise por "medit";
3 - Faça clique-simples sobre o primeiro resultado para visualizar mais opções ();
4 - Clique no botão "Instalar" () para iniciar o processo. A senha de administrador será solicitada (), digite-a e clique no botão "Autenticar" para prosseguir;
5 - Isito pode demorar um pouco. Aguarde... ();
6 - Quando o processo de instalação for concluído, feche a Central de Programas.

Instalação Modo Texto
Para instalar o programa em distros baseadas em Debian basta abrir um terminal e correr o seguinte comando (digite a senha de administrador se esta for solicitada e tecle ENTER para prosseguir):
sudo apt-get install medit  ENTER 

Ou faça o download neste link.

EXECUTANDO O PROGRAMA
Quando o processo de instalação for concluído, pesquise por "medit". Clique no ícone correspondente para acioná-lo.

A interface do programa:

disponível para:
sob a licença: GNU General Public License version 3 (GPL v3)
página do projeto: mooedit.sourceforge.net

É isso.

fonte: Central de Aplicativos do Debian Wheezy
Continua »

11 de setembro de 2014

ScreenGen 1.7 disponível - crie imagem com várias miniaturas de um vídeo para compartilhada pela web

0 comentários
Está disponível a versão 1.7 do ScreenGen. Para quem não conhece, ScreenGen é um software com o qual podemos facilmente criar uma imagem com várias miniaturas com informações do vídeo que será compartilhado na web. Por padrão ScreenGen inclui detalhes sobre o vídeo como título, tamanho, codecs de áudio e vídeo, o tempo total e 12 previews gerados em intervalos de tempo fixos.

ADICIONANDO O PPA E INSTALANDO O PROGRAMA
Para instalar no Ubuntu e derivados basta abrir um terminal (CTRL+ALT+T) e correr os seguintes comandos (digite a senha de administrador se esta for solicitada e tecle ENTER para prosseguir):
PPA de terceiros... adicione por sua conta e risco!
sudo apt-add-repository ppa:samrog131/ppa  ENTER 
sudo apt-get update  ENTER 
sudo apt-get install screengen  ENTER 

Ou faça o download neste link.

UTILIZANDO O PROGRAMA
Quando o processo de instalação for concluído, abra um terminal. Para obter o arquivo jpg com o resumão do seu vídeo, faça (considerando que você está na pasta do vídeo) :
screengen NomeDoVideo.avi  ENTER 

Troque "NomeDoVideo" pelo nome do seu arquivo de vídeo.

Você terá um resultado semelhante à imagem abaixo:
Para conhecer os recursos do programa faça:
screengen --help  ENTER 

disponível para:
sob a licença: Licença Pública Geral GNU (GPL)
página do projeto: kochkin.org/screengen

É isso.
Continua »

Primeira tela flexível à base de grafeno

0 comentários
Talvez preocupados com a molibdenita nos calcanhares do grafeno, pesquisadores do Centro de Grafeno da Universidade de Cambridge uniram-se à empresa Plastic Logic - criada dentro da própria universidade - para fazer uma demonstração de que o material tem condições para ser usado rapidamente em aplicações práticas.

Para isso, a equipe construiu a primeira tela flexível na qual os elementos fundamentais - os pixels - levam grafeno em sua camada de controle. O protótipo é uma tela eletroforética de matriz ativa, similar às telas usadas nos leitores eletrônicos de livros, exceto que ela é feita de plástico flexível em vez de vidro.

O sistema eletrônico que controla os pixels inclui um eletrodo de grafeno criado por deposição do material inicialmente em solução. Esse eletrodo com grafeno substitui os eletrodos de metal pulverizado usado nas telas convencionais.

Essa função coadjuvante - funcionar como um eletrodo de carbono - parece muito pouco para um material que promete ser a estrela de uma nova geração de eletrônicos muito mais eficientes - quase como colocar um craque para atuar como gandula.

Contudo, o grafeno é mais flexível do que os materiais convencionais, como a cerâmica de óxido de índio-estanho (ITO), e mais transparente do que as películas metálicas.

A camada de grafeno ultraflexível pode ajudar na construção de dispositivos eletrônicos dobráveis, por exemplo. E o fato de o material poder ser processado a partir de uma solução permite abordagens mais eficazes de produção, como a impressão rolo-a-rolo, já típica da eletrônica orgânica - que utiliza materiais à base de carbono.

O protótipo tem 150 pixels por polegada (150 ppi) e foi fabricado a baixas temperaturas (menos de 100° C) usando a tecnologia OTFT (Organic Thin Film Transistor, ou Transístor Orgânico de Filme Fino).

Os pesquisadores afirmam que versões futuras poderão incluir camadas de cristal líquido (LCD) e LEDs orgânicos (OLEDs) para criar uma tela a cores.
Talvez preocupados com a molibdenita nos calcanhares do grafeno, pesquisadores do Centro de Grafeno da Universidade de Cambridge uniram-se à empresa Plastic Logic - criada dentro da própria universidade - para fazer uma demonstração de que o material tem condições para ser usado rapidamente em aplicações práticas.

Para isso, a equipe construiu a primeira tela flexível na qual os elementos fundamentais - os pixels - levam grafeno em sua camada de controle. O protótipo é uma tela eletroforética de matriz ativa, similar às telas usadas nos leitores eletrônicos de livros, exceto que ela é feita de plástico flexível em vez de vidro.

O sistema eletrônico que controla os pixels inclui um eletrodo de grafeno criado por deposição do material inicialmente em solução. Esse eletrodo com grafeno substitui os eletrodos de metal pulverizado usado nas telas convencionais.

Essa função coadjuvante - funcionar como um eletrodo de carbono - parece muito pouco para um material que promete ser a estrela de uma nova geração de eletrônicos muito mais eficientes - quase como colocar um craque para atuar como gandula.

Contudo, o grafeno é mais flexível do que os materiais convencionais, como a cerâmica de óxido de índio-estanho (ITO), e mais transparente do que as películas metálicas.

A camada de grafeno ultraflexível pode ajudar na construção de dispositivos eletrônicos dobráveis, por exemplo. E o fato de o material poder ser processado a partir de uma solução permite abordagens mais eficazes de produção, como a impressão rolo-a-rolo, já típica da eletrônica orgânica - que utiliza materiais à base de carbono.

O protótipo tem 150 pixels por polegada (150 ppi) e foi fabricado a baixas temperaturas (menos de 100° C) usando a tecnologia OTFT (Organic Thin Film Transistor, ou Transístor Orgânico de Filme Fino).

Os pesquisadores afirmam que versões futuras poderão incluir camadas de cristal líquido (LCD) e LEDs orgânicos (OLEDs) para criar uma tela a cores.

via inovacaotecnologica
Continua »

10 de setembro de 2014

Knowthelist - music player para festas

0 comentários
Knowthelist é um music player para festas. Fácil de usar, possui pesquisa rápida de faixas, dois tocadores com listas separadas, mixer com fader, 3 canais EQ e Fader automático. Pesquisa Track analyser para a música de início / fim e ajuste de ganho, função Auto DJ com vários filtros para a reprodução aleatória. Knowthelist é software livre (sob a LGPL) e roda em GNU/Linux, MacOS e Windows.

OBTENDO E INSTALANDO O PROGRAMA
Instalação Modo Gráfico
Para instalar no Ubuntu, sem necessidade de abrir terminal e executar comandos:
0 - faça o download do programa neste link;
1 - abra seu navegador de arquivos e navegue até à pasta do download;
2 - Clique com o botão direito do rato sobre o arquivo baixado. No menu que aparece clique em "Abrir com a Central de Programas do Ubuntu". Aguarde...;
3 - Quando a Central de Programas estiver completamente carregada, clique no botão "Instalar". Aguarde...;
4 - Quando a instalação terminar, feche a Central de Programas.

Instalação Modo Texto
Para instalar basta abrir um terminal (CTRL+ALT+T) e correr o seguinte comando (digite a senha de administrador se esta for solicitada e tecle ENTER para prosseguir):

Para instalar no Ubuntu 14.04 de 32 bits:
cd /tmp  ENTER 
wget -c ftp5.gwdg.de/pub/opensuse/repositories/home:/knowthelist:/Knowthelist/xUbuntu_14.04/i386/knowthelist_2.2.3-1_i386.deb  ENTER 
sudo dpkg -i *.deb  ENTER 

Para instalar no Ubuntu 14.04 de 64 bits:
cd /tmp  ENTER 
wget -c ftp5.gwdg.de/pub/opensuse/repositories/home:/knowthelist:/Knowthelist/xUbuntu_14.04/amd64/knowthelist_2.2.3-1_amd64.deb  ENTER 
sudo dpkg -i *.deb  ENTER 

Há pacotes disponível para OpenSUSE, Fedora, Ubuntu e Gentoo. Para instalar no Debian baixe o pacote para Ubuntu 12.10.

EXECUTANDO O PROGRAMA
Quando o processo de instalação for concluído, pesquise por "knowthelist". Clique no ícone correspondente para acioná-lo. A interface do programa:

disponível para:
sob a GNU Lesser General Public License (LGPL)
página do projeto: github.com/knowthelist

É isso.

vi no  qt-apps.org
Continua »

Terminal - descobrindo nome, versão, codinome, descrição, origem da sua distribuição e etc

2 comentários
Você não sabe a versão, nem o codinome da sua distribuição? O terminal Linux pode te dar a resposta rapidamente. Através de um único comando você pode descobrir o nome, a versão, o codinome, a descrição, ID, a distribuição que ela é derivada, a URL oficial, a página de suporte e reportagem de BUGs.

Para obter informações sobre a sua distribuição Debian, derivadas e derivadas das derivadas, faça:
$ cat /etc/*-release  ENTER 
PRETTY_NAME="Debian GNU/Linux 7 (wheezy)"
NAME="Debian GNU/Linux"
VERSION_ID="7"
VERSION="7 (wheezy)"
ID=debian
ANSI_COLOR="1;31"
HOME_URL="http://www.debian.org/"
SUPPORT_URL="http://www.debian.org/support/"
BUG_REPORT_URL="http://bugs.debian.org/"

No RedHat/CentOS/Oracle Linux, faça:
# cat /etc/redhat-release  ENTER 
Red Hat Enterprise Linux Server release 5 (Tikanga)

É isso.

via
Continua »

Elementary OS Freya Beta 1 disponível para Developers e Testers

0 comentários
Elementary OS Freya Beta 1 disponível para download. Se você é um desenvolvedor ou testador e não ouvi falar de Elementary OS Freya Beta 1, você tem a oportunidade de experimentar uma leve e bela distribuição GNU/Linux. Esta é versão beta e é altamente não é recomendado para uso em produção. Software na fase beta geralmente têm muitos mais erros nele do que software concluída, bem como questões de velocidade / desempenho e ainda pode causar falhas ou perda de dados.

Sim, os desenvolvedores sabem que alguns usuários certamente irão querer usar Freya para a produção. Veja a mensagem de Daniel Foré:
"Por mais tentador que seja, nós recomendamos fortemente contra o uso deste beta em um ambiente de produção. Mais algumas etapas permanecem no processo de desenvolvimento em que estaremos abordando erros graves antes do lançamento final. Dito isto, este post vai ser mais técnico e se concentrar erros que são importantes para desenvolvedores, por favor, reportem".

Leia mais sobre esta versão beta neste link.


É isso.

via
Continua »

Vazam 5 milhões de senhas do Gmail

0 comentários
Se você ainda não criou uma senha difícil de ser quebrada e ativou a verificação em dois passos do Gmail, considere fazê-lo agora. É que, segundo o Daily Dot, um fórum de Bitcoin russo recebeu a publicação dos usuários e senhas de 5 milhões de contas do Gmail.

Representantes do Google afirmaram que não se trata de um ataque direto aos seus servidores, mas sim senhas coletadas ao longo dos anos por meio de phishing ou por hackers. Tanto que, segundo eles, boa parte dos dados coletados correspondem a senhas antigas ou contas agora desativadas.
Mas, segundo o usuário que fez o post na terça-feira, 60% das informações ainda estão válidas. Além de contas do Gmail – especialmente de usuários que falam inglês, russo e espanhol, também foram vazadas senhas do Yandex, o mecanismo de busca mais utilizado na Rússia.

O Daily Dot indica este site para verificar se seu email está entre os 5 milhões que tiveram suas senhas divulgadas. Mas insistimos: é melhor prevenir do que remediar, então já altere a sua e ative a verificação em duas etapas.

via
Continua »

9 de setembro de 2014

PreLink - acelerando o arranque dos aplicativos e do sistema

0 comentários
O pacote/programa Prelink contém um utilitário que modifica bibliotecas compartilhadas e executáveis ELF, de forma que poucas relocações precisem ser resolvidas em tempo de execução e portanto faz com que os programas iniciem mais rapidamente. Prelink funciona em qualquer sistema que atende o padrão POSIX, como o GNU/Linux e BSD.

INSTALAÇÃO MODO GRÁFICO
Para instalar o programa no modo gráfico no Ubuntu, faça:
1 - Abra a Central de Programas do Ubuntu ();
2 - Na Central de Programas, no campo de pesquisa () pesquise por "prelink";
3 - Faça clique-simples sobre o primeiro resultado para visualizar mais opções ();
4 - Clique no botão "Instalar" () para iniciar o processo. A senha de administrador será solicitada (), digite-a e clique no botão "Autenticar" para prosseguir;
5 - Isto pode demorar um pouco. Aguarde... ();
6 - Quando o processo de instalação for concluído, feche a Central de Programas.

INSTALAÇÃO MODO TEXTO
Para instalar  no Debian e distribuições derivadas basta abrir um terminal e correr o seguinte comando (digite a senha de administrador se esta for solicitada e tecle ENTER para prosseguir):
su -  ENTER 
apt-get install prelink  ENTER 

O Prelink pode causar problemas em
vários binários proprietários!
Por favor, verifique se o arquivo /etc/prelink.conf contém estas linhas, ou semelhantes, com relação aos softwares proprietários que utiliza. Abaixo é apenas um exemplo:
# Skype
-b /usr/lib32/skype/skype
-b /usr/lib/skype/skype

# Flash Player Plugin
-b /usr/lib/mozilla/plugins/libflashplayer.so

# NVIDIA
-b /usr/lib/libGL.so*
-b /usr/lib32/libGL.so*
-b //usr/lib/libOpenCL.so*
-b //usr/lib32/libOpenCL.so*
-b /usr/lib32/vdpau/
-b /usr/lib/vdpau/
-b /usr/lib/xorg/modules/drivers/nvidia_drv.so
-b /usr/lib/xorg/modules/extensions/libglx.so*
-b /usr/lib/libnvidia-*
-b /usr/lib32/libnvidia-*

UTILIZANDO O PROGRAMA
Somente o administrador pode usar o programa. Para acelerar o arranque de um determinado aplicativo, faça como ROOT:
prelink nomeDoBinario  ENTER 

Para acelerar todo o sistema, faça como ROOT:
prelink -amvR  ENTER 

Aqui está uma explicação detalhada do significado dos parâmetros:
a: equivalente a -all, isso se aplica a todo o sistema;
m: equivalente a "conserve memória";
v: verbose - permite saber quais são as bibliotecas de pré-ligação;
R: equivalente a Random. Melhora a segurança pois está fazendo um valor aleatório.

Aguarde o final do processo.

DESLIGANDO O PRELINK
Para remover a "linkagem" de um binário, faça:
prelink -u  ENTER 

Para remover a "linkagem" de todo o sistema, faça:
prelink -au  ENTER 

man page do prelink

disponível para:
sob a licença: GNU GPL V3
página do projeto: não encontrado

No link fonte você encontra um tutorial para acelerar o arranque do KDE para 3 segundos, confira!

via
Continua »

Uma caneca impossível de ser derrubada mesmo pelos mais desastrados

0 comentários
Empreendedores norte-americanos buscam, no site de financiamento coletivo Kickstarter, dinheiro para o projeto desenvolvido por eles no Brooklyn, em Nova York. Trata-se de uma caneca imune aos desastrados - ou seja, que jamais poderá ser derrubada.

No vídeo em que os empresários postaram para vender o produto, eles demonstram que realmente é possível criar e produzir o produto em larga escala. O segredo do sucesso é o fundo dessa caneca, que leva uma camada super aderente que mantém o produto em pé mesmo quando pressionado pelas mãos durante a simulação de um acidente.
O produto faz relativo sucesso no Kickstarter. Faltam menos de 20 dias para o fim da campanha e os empreendedores já arrecadaram cerca de US$ 8,6 mil - mas eles precisam de mais e pedem US$ 10 mil.

o projeto no Kickstarter

vi no estadao
Continua »

8 de setembro de 2014

MACchanger-GTK - interface gráfica para mudar o MAC da sua placa de rede

0 comentários
MACchanger-GTK é uma interface gráfica construída em GTK+ (GUI) para o programa MACchanger (modo texto) para mudar o endereço MAC (MAC adrdess) da sua placa de rede sem mistérios. Essa ação pode ser necessária por motivos de segurança. O programa está disponível nos repositórios oficiais das principais distribuições GNU/Linux.

INSTALAÇÃO MODO GRÁFICO
Para instalar em qualquer distribuição GNU/Linux que tenha o programa em seus repositórios, basta:
0 - abra seu gerenciador de pacotes (Synaptic, Central de Aplicativos, Central de Programas ou similar);
1 - Pesquise por "macchanger" ou "gui mac";
No Debian, a instalação de programas pode ser
realizada sem a necessidade de usar comandos
2 - marque para instalação e mande aplicar;
3 - quando a instalação for concluída, feche o gerenciador de pacotes.

INSTALAÇÃO MODO TEXTO
Para instalar no Debian e distribuições derivadas, basta:
su -  ENTER 
apt-get install macchanger-gtk  ENTER 

Para instalar no Fedora, basta:
sudo yum install macchanger-gtk  ENTER 

A interface do programa:

disponível para:
sob a licença: GNU General Public License version 2.0 (GPLv2)
página do projeto: macchanger-gtk.sourceforge.net

É isso.
Continua »
 

Copyright © TutorFree Design by Free CSS Templates | Blogger Theme by BTDesigner | Powered by Blogger